Como proteínas sintéticas estão tecendo uma nova era na indústria têxtil

Como proteínas sintéticas estão tecendo uma nova era na indústria têxtil 24Jun
Inovação

De tapetes a roupas, pastas de dentes e canetas esferográficas, a maioria de nós não percebe o quanto de nossas vidas diárias são feitas com o petróleo. No entanto, a maioria das pessoas concorda que precisamos acabar com nossa dependência da economia de combustível fóssil e seus impactos ambientais negativos. As empresas estão começando a perceber que as marcas com reivindicações legítimas de sustentabilidade se saem melhor. Além disso, o movimento em direção à biomanufatura está criando novas eficiências na produção que tornarão essas empresas mais competitivas na nova bioeconomia.

Situado entre os campos de arroz da prefeitura de Yamagata está a maior startup do Japão, a Spiber, que está silenciosamente trabalhando para alcançar essa nova bioeconomia sustentável. A Spiber expressa uma meta séria de maximizar as contribuições da empresa para a sociedade através da inovação no material sustentável da próxima geração: proteínas sintéticas. As proteínas são um divisor de águas na indústria de materiais. São biomoléculas, ecologicamente corretas e extremamente flexíveis quando se trata de funcionalidade, sem mencionar o potencial de melhorar sua função biológica nativa ou de incorporar novas propriedades por meio da biologia sintética.

No entanto, os materiais proteicos sintéticos enfrentam atualmente um problema significativo: a barreira de custo, que é da ordem de US $ 100 por quilo, principalmente devido aos custos do processo fermentativo usado para produzir proteínas sintéticas. Para impulsionar a adoção generalizada de um novo material sustentável, seu custo ​​precisa ser de cerca de US $ 20 a US $ 30 por quilo para competir com a seda ou lã natural e menos de US $ 10 por quilo para competir com materiais de base petroquímica, como poliéster ou nylon.

 

Construindo a maior instalação de fermentação proteica estrutural do mundo

Durante a jornada de doze anos da Spiber na compreensão e no domínio das proteínas, eles desenvolveram tecnologias de ponta que lhes permite aumentar o design das proteínas e a eficiência da produção. Seu objetivo é reduzir o custo de produção de fermentação de proteína em uma ordem de magnitude para US $ 10 por quilo, competitivo com a indústria petroquímica.

“Nossa principal prioridade nos últimos dois anos foi chegar ao ponto em que temos as habilidades necessárias para reduzir o preço a dezenas de dólares”, diz David Lips, pesquisador da Spiber. “A partir daqui, será uma questão de impulsionar a adoção em todo o mundo”.

Logo após esse ímpeto, no final de novembro do ano passado, a Spiber anunciou a construção de uma fábrica de produção em massa em Rayong, na Tailândia. A produção comercial de seda de aranha sintética deve começar em 2021, com uma capacidade de produção de várias centenas de toneladas por ano. Com esta expansão para uma localização no exterior, a Spiber pretende construir a maior instalação de fermentação de proteínas estruturais do mundo , que lhes permitirá fabricar materiais à base de proteína sustentável a um custo competitivo.

 

De bens de consumo a robótica

A Spiber está fazendo tudo isso com seda de aranha sintética, uma fibra que, encontrada na natureza, é 340 vezes mais forte que o aço. A seda da aranha também é flexível e maleável, e pode ser adicionada a uma ampla gama de polímeros existentes para melhorá-los e fortalecê-los. As fibras sintéticas da Spiber são a base do Moon Parka , uma jaqueta externa produzida pela The North Face Japan e o primeiro protótipo feito em uma linha de fabricação padrão com fibras de proteína recombinantes.

Mas isso é apenas o começo. As indústrias-alvo iniciais da Spiber são de vestuário e automotiva, cada uma com mercados da ordem de trilhões de dólares, mas uma vez que a seda sintética é amplamente adotada pelas indústrias de vestuário e automotiva, a Spiber espera que outros mercados sigam rapidamente como dispositivos médicos, construção, esportes, aeroespacial, móveis e robótica.

Hoje, a indústria em geral depende do petróleo. Ao mover as proteínas para uma faixa de custo e de utilidade que rivaliza com a da indústria petroquímica, a Spiber está liderando a transição de bens de consumo baseados em petróleo para a próxima geração de produtos mais ecológicos.

 

Criando um futuro mais verde

Os materiais de proteína podem substituir muitos dos materiais que estão sendo produzidos atualmente de maneiras que não são necessariamente ótimas para o planeta. A responsabilidade ambiental, bioeconomia e inovação estão no cerne da Spiber e em tudo o que eles fizeram até agora e continuará a ser no futuro, já que esse é um dos fatores mais fortes que impulsionam a demanda por seus produtos.

Para a startup, usar esses tipos de materiais de proteína fermentada que podem substituir o material de origem química e até melhorá-los é interessante para muitas empresas. Afinal, o mundo precisa de mais empresas e produtos com consciência ambiental, e em poucos anos, haverá espaço no mercado apenas para aqueles que contribuem para um futuro mais verde.

 

Fonte: Synbiobeta

Ligar

Diagnóstico