Consumidor em foco: novos posicionamentos

As mudanças sociais e econômicas não atingem somente a forma como as indústrias e empresas se configuram no mercado. Do outro lado, há o consumidor, que molda e é moldado por todas essas transformações. De que forma podemos entender esse sujeito crucial no panorama atual da moda?

Batemos um papo com a designer Thais Wendling sobre o assunto. Especialista em design estratégico e pesquisa do consumidor, Thais aponta algumas alternativas às marcas que buscam um diálogo verdadeiro com o consumidor. “É preciso ir além da relação de compra e venda”.

 

interna-09

Parceria entre Versace e Riachuelo

 

Como podemos descrever o atual consumidor de moda? 

Falar do consumidor em geral é muito amplo. Hoje o que sabemos e podemos dizer em geral é que o consumidor interfere muito na moda. Estamos na era das selfies e as mídias sociais permitem que o consumidor interfira nas criações. Enviamos mensagens e imagens o tempo inteiro. Mostramos o que fazemos, o que gostamos, o que achamos correto, nossos amigos, o cotidiano. O consumidor passou a apontar o que é mais importante para ele. A marca que consegue fazer essa leitura e aplicar isso nos seus produtos e serviços tem sucesso.

 

E o papel das classes populares cada vez mais em ascensão?

Eles estão mais exigentes com a qualidade e se permitem gastar em produtos para se agradar e se presentear – principalmente as mulheres. Eles buscam e consomem moda. Conseguimos perceber essas mudanças principalmente pelo novo posicionamento das lojas de departamento como C&A e Riachuelo, que buscam parcerias com nomes de moda e investindo pesado no marketing.

 

 É importante disponibilizar um universo para a marca e inserir o consumidor dentro dela

 

 

O engenheiro Daniel Luz nos contou em entrevista que “as indústrias terão que se adequar a um mundo com menos recursos disponíveis e consumidores mais atentos”.

Sim, sem dúvida. O consumidor quer saber cada vez mais a história do produto, não só durabilidade, conforto e preço. Ele está preocupado em saber mais, quem produziu, qual o material. Há leituras que apontam esses resultados já publicadas em grandes revistas como Exame e Veja.

 

Hoje as marcas estabelecem diálogos mais humanizados com seus consumidores, desde a presença nas redes sociais até a intensificação de serviços personalizados. Quais os outros meios de fazer essa conversa?

Existem diversas formas, que permeiam desde o atendimento na loja até o pós-venda. Um exemplo é receber as pessoas numa atmosfera direcionada, atingindo os cinco sentidos através de música, aromas, enfim, interagindo com o cliente. Personalizar o atendimento, como presentear o cliente em datas comemorativas. É importante disponibilizar um universo para a marca e inserir o consumidor dentro dela, propondo algo além da relação de compra/venda.

VER TODOS OS POSTS

POSTS RELACIONADOS