Encontros entre a arquitetura e a moda brasileira

“Moda é arquitetura, é só uma questão de proporção”. A citação de Coco Chanel nos serviu de inspiração: selecionamos os melhores momentos em que a moda brasileira levou a arquitetura para dentro das passarelas.

 

Pedro Lourenço e Oscar Niemeyer

 

Pedro_lourenço-interna

 

“Quero falar do Brasil, mas de coisas boas, e não daquela visão colonizada que muitos têm do nosso país”. Em 2010, o filho de Glória Coelho e Reinaldo Lourenço estreou nas passarelas de Paris. Com apenas 19 anos, Pedro Lourenço representou a moda brasileira na Europa com uma referência atemporal. A obra do arquiteto brasileiro Oscar Niemeyer se expressa na trimidensionalidade das roupas, na geometria revisitada e nas cores sóbrias.

 

Maria Bonita e Lina Bo Bardi

 

maria-bonita-interna

 

Apesar de sua origem italiana, Lina Bo Bardi foi uma grande referência de brasilidade. Responsável pela construção do Museu de Arte de São Paulo (MASP), a arquiteta fez da geometria cinza do caos urbano uma plataforma para sua arte. Em 2010, a marca Maria Bonita levou a obra de Lina ao São Paulo Fashion Week, homenageando-a da modelagem dos vestidos à concepção dos acessórios.

 

Ronaldo Fraga e Athos Bulcão

 

Ronaldo_Fraga_interna

 

Para o inverno de 2011, o mineiro Ronaldo Fraga incorporou as cores do universo de Athos Bulcão em sua coleção. Ainda que não fosse propriamente um arquiteto, Bulcão atuou ao lado de Oscar Niemeyer nos anos 50 e do também arquiteto João Filgueiras Lima na década seguinte. Nas mãos de Ronaldo, os famosos azuelejos do artista carioca ganham leveza e movimento.

 

Fernanda Yamamoto e Luis Barragán

 

Fernanda_interna

 

Já falamos sobre a influência do artista Hélio Oiticica nas produções da estilista Fernanda Yamamoto. Curiosamente, na mesma coleção de 2012, a designer trouxe fortes referências de Luis Barragán. O arquiteto foi um dos mais importantes da América Latina no século passado, aliando a tradição mexicana à estética modernista de sua época. Unindo Oiticica e Barragán, Fernanda Yamamoto criou uma coleção extremamente antropofágica, “engolindo” diversas culturas para produzir um só conceito.

VER TODOS OS POSTS

POSTS RELACIONADOS